O Consumidor do Futuro

por | jun 28, 2020

Introdução

Antecipar o futuro é talvez o mais esforço desafiador e corajoso que alguém pode tentar fazer.

Inteligência artificial, automação, realidade virtual, e outras tecnologias estão chegando a nós em um ritmo cada vez mais acelerado. Com eles vem perguntas fundamentais sobre as quais o futuro das empresas estão em jogo. Até onde entregaremos o controle às máquinas? Como vamos manter nossas empresas relevantes no mercado? Como será o meu consumidor amanhã? Em resposta, a Select realizou um amplo trabalho em todos os setores, olhando para o horizonte e fornecendo uma imagem mais vívida da mudança adiante.

 

O consumidor do futuro reflete o aprendizado constante do nosso trabalho, em diversos segmentos, antecipando como as necessidades dos clientes mudarão e como as estratégias de nossos clientes e modelos de negócios devem responder a essas mudanças.

Chegamos a seis mudanças principais que moldam o consumidor do futuro, ou em nosso caso fictício, a chamaremos de Helena.

A história de Helena, a nossa consumidora do futuro, não é sobre qualquer tecnologia específica. É a história sobre o que acontece quando as tendências tecnológicas atendem às verdades humanas.

Esperamos que você goste.

01

Conheça Helena

Ela não sabe dirigir, mas anda de carro o tempo todo.
Ela nunca foi ao consultório do médico, mas visita o médico toda semana.
Ela nunca conecta, mas está sempre online.
Ela está sempre fazendo compras, mas nunca pega filas.
Ela nunca esteve “perdida” em alguma cidade.
Sua camiseta está conectada à internet.
Sua tatuagem destrava seu carro.
Seu gerente é um robô.

Essa é Helena: uma média 25 anos de idade em um futuro não tão distante.

Isso não é ficção científica, nem é sobre a influência tecnológica. É um esboço de um futuro não muito distante cheio de perturbações significativas. Essas tecnologias trazem as mudanças, que não vão apenas mudar a experiência do cliente, mas também mudar como o mundo funciona – como as pessoas se conectam, criam, conversam, realizam, trabalham, se divertem,  buscam conhecimentos, se destacam e se encaixam.

O que precisamos fazer de diferente para atender as necessidades do cliente do futuro?
Como será nossa proposta de valor e como os modelos de negócio vão mudar?
Como nos tornamos relevantes para Helena?

Comprar Agora

02

Tecnologias previstas para obter escala nos próximos 10 anos

Totalmente onipresente, Robôs inteligentes já estão sendo usados em quase todos os campos. Estamos no meio de notável mudança não vista desde o Revolução Industrial.
Por vivermos hoje muito conectados, a transformação digital atinge mais rápido e vai além. Durante tempos de mudanças profundas, procuramos consolo em detalhes.

As grandes questões são tão assustadoras nós respondemos os pequenos: Quando vai chegar a internet 5G e o que vem depois dela? Quando os carros sem motorista chegarão? Que trabalhos os robôs irão substituir? As respostas para estas perguntas são importantes. Elas adicionam dimensão, criam urgência e fornecer uma base de fatos. Mas aperfeiçoando individualmente tecnologias podem ser perigosas (muitas vezes estamos errados) e pode nos impedir de ver as mudanças maiores.

Olhando para as árvores, sentimos falta da floresta; olhar fixamente para a tecnologia não nos faz enxergar a revolução. Olhando para o arco da tecnologia, porém, podemos estar confiante de que certas mudanças continuarão. Nós saberemos mais (da inteligência artificial, dispositivos inteligentes, etc) e nós compartilharemos mais (de histórias no Instagram a residências em Airbnb). Vamos automatizar mais, monitorar mais e personalizar mais. Nós vamos ficar mais rápido, mais flexíveis e mais conectados (pelo menos digitalmente). Estamos confiantes de que essas mudanças ocorrerão. Por quê? Porque eles são impulsionados tanto pelo lado fundamental das necessidades humanas como são por novas tecnologias. A humanidade tem uma motivação inata para conexão e pertencer, o que explica por que usamos um terço ou mais do nosso tempo online nas mídias sociais. Nós buscamos poder e controle, o que impulsiona a tecnologia em direção à co-criação e customização. Nossa busca pela conquista sustenta nosso desejo de saber mais através da inteligência artificial. Em meio a toda essa transformação, nossas necessidades humanas fundamentais continuam as mesmas.
Elas são as mesmas necessidades humanas que economistas e psicólogos têm apontado por décadas: conexão, pertença, poder, controle, realização, segurança, validação, criação, eficiência, liberdade, prazer, auto-realização. E quando combinado com os avanços tecnológicos, eles nos conduzem a comportamentos profundamente novos. A história que estamos contando não é sobre nenhuma específica tecnologia. Esta história é sobre o que acontece quando as tendências tecnológicas se encontram com as verdades humanas. O reino do prognóstico é abundante com overpromising.
A notícia assustadora: É um tempo de mudança incomparável.
A notícia tranquilizadora: Mudança está acontecendo em padrões previsíveis para pessoas que terão reações previsíveis.
A notícia emocionante: Para inovadores, não há época melhor para se viver.

Nas páginas seguintes, descrevemos cada um mudanças e sua influência sobre os consumidores. Para trazer as tendências para a vida, seguimos Helena, nossa cliente fictícia do futuro, que aproveita ao máximo esses novos recursos.

Como líderes empresariais, não somos apenas parte do futuro – estamos criando.

Os vencedores serão aqueles que desde agora colocam o consumidor e o digital no centro de tudo.

A busca da liberdade pode ser um desejo consistente de todos eles, e tecnologia agora nos permite desatar muitos nós. Aquisições fixas que outrora nos faziam ancorar (empregos, contratos, hipotecas), fluirão diferente daqui pra frente. O mundo de um emprego, uma casa e “Minhas” coisas serão substituídas pela flexibilidade de conexão constante e novos modelos de trabalhos e negócios. Também teremos nossos ativos e nossa liberdade. Em um mundo priorizando o acesso sobre a propriedade, a opcionalidade é a nova estabilidade.

 

03

Uma vida em fluxo

Nossas vidas se tornarão cada vez mais rastreáveis.
Devido a sensores inteligentes, data centers massivos, wearables e dispositivos conectados, a internet será muito como eletricidade – uma corrente constante e onipresente ao longo de nossas vidas, nada que “acessamos”, apenas algo que está sempre ligado. O varejo se tornará uma experiência onde iremos comprar sem problemas, com essa cultura incorporada em nossas vidas. O consumo será sem atrito e imersivo. Modelos flexíveis de trabalho serão a norma. A participação do “online” na economia cresceu 47 vezes a partir de 2012 a 2015, e os especialistas prevêem que continuará a crescer exponencialmente. A propriedade renderá a experiência.

Cada vez mais, acessaremos os recursos por meio de compartilhamento, co-propriedade e locação sob demanda. O que costumava ser símbolos de sucesso – uma casa com um carro novo na garagem – pode ser visto como ativos onerosos.

O sonho cultural de ontem torna-se ônus da liberdade em um mundo que prioriza a mobilidade eficiente. No futuro, nós vamos pagar pelo uso, não pela posse. Vamos nos conectar e consumir através de pares, tanto quanto as instituições.
Estes mercados colaborativos significam consumidores que irão contribuir, criar, presentear, recuperar, reciclar, doar, emprestar, emprestar, localizar e personalizar de maneira direta que requer uma plataforma em rede, mas muitas vezes subverte de uma instituição tradicional.

A vida da madrugada depende muito menos de espaços. Ela faz compras em qualquer lugar, a qualquer hora. Ela pode acessar o mundo de sua casa e sua casa do mundo, que as tão tradicionais delineações entre casa, trabalho e viagem se integram no mesmo momento.

“Casa” significa algo fundamentalmente diferente, como algo portátil. Uma locação substitui um financiamento de 30 anos.
Ela paga pelo uso, não pela posse, negociando status de propriedade para flexibilidade e opcionalidade.
Ela compartilha qualquer recurso de alto valor que frequentemente fica sem uso (um carro, um cortador de grama, uma furadeira, uma obra de arte). Ela evita qualquer coisa que quebra o “fluxo” de vida: qualquer coisa que ela não pode fazer no conforto de sua casa conectada (ela troca visitas de médico para telemedicina), qualquer experiência que exija viagem especial (sem balcões de check-out para Helena), qualquer compra que a amarra (sem casa, sem academia), e qualquer trabalho que lhe diga quando e onde trabalhar em vez de apenas fornecer a plataforma para acessar o trabalho. Ela não se reporta a um empregador, mas trabalha em vários projetos em um determinado dia, aplicando seus talentos onde eles se encaixam melhor. Sua vida está em fluxo constante.

Como Helena responderá a tudo isso? Continue lendo, compre agora o ebook completo.

Comprar Agora

São 9 mini-capítulos que falam sobre o que muito provavelmente será a realidade no futuro.
O que sua empresa precisa fazer para se manter relevante no futuro?

AUTOR: Bruno Feuser Gruner
CEO da Select Comunicação Estratégica

Outros artigos no Blog

Alinhando expectativas no Marketing Digital

Alinhando expectativas no Marketing Digital

Quando se trata de apresentar aos nossos clientes o Inbound Marketing, a maior pergunta que recebemos é: "Isso funciona?" Para muitas empresas, o conceito de...

O real valor que seu cliente tem

O real valor que seu cliente tem

A maioria das empresas ainda não entende o valor de entender o seu cliente, e o valor em construir uma base sólida e ter uma comunicação mais assertiva. Sabe,...

RECEBA CONTEÚDOS EM SEU EMAIL

Cadastre-se e faça parte da nossa turma que recebe conteúdos exclusivos. São conteúdos que ajudam você e sua empresa sobre marketing, vendas, negócios, empreendedorismo e muito mais.